Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Amor às Kuartas

Aqui fala-se de amor às quartas-feiras

Aqui fala-se de amor às quartas-feiras

Amor às Kuartas

19
Abr17

Amor e uma cabana

Kalila

o65LWGu rgbstock.es ---------.jpg

 

Não era bem cabana, nem casinha, nem barraca, deve ter sido um abrigo de lenha noutros tempos. A casa ruíra quase toda, os muros tombaram, a natureza foi tomando conta de tudo, restou de pé o abrigo, atapetado de pedra, coberto de telha antiga. A ruína de uma parede da casa era um dos lados, do outro pedra solta, atrás o que restava do muro, na frente uma porta e uma janela sem as mesmas. 

Alberto costumava usar-lhe a sombra no verão depois da caminhada desde a aldeia de baixo. Uma árvore frondosa ajudava à frescura do lugar.

Ana conhecera-a no meio de uma chuvada inoportuna que estragou o seu passeio desde a aldeia de cima.

O lugar abrigava a calma do abandono em ruínas. Restos de canteiros, capoeiras e um tanque antigo de lavar roupa ajudavam a sonhar com passados românticos de família feliz, talvez remediada, voltada para o trabalho da terra, talvez mesmo rica, voltada para o deslumbre da paisagem.

Por algum motivo, Alberto e Ana nunca se encontravam. Passavam por ali, desfrutavam da vista, sentavam-se ou não no abrigo, sempre em dias ou horas diferentes. As aldeias dos dois, quase à mesma distância dali, guardavam o segredo do sítio. Na aldeia de baixo dizia-se que os proprietários tinham sucumbido todos num incêndio. Na aldeia de cima falava-se de outros eventos, como maleitas de saúde dizimadoras, ataques de lobos ferozes e uma derrocada, tudo misturado e dramatizado, bem ao gosto popular. Ao certo ninguém sabia de nada, nem tão pouco se alguém por ali tinha perecido ou simplesmente rumado a outras paragens.

Conhecida como "Ana da Azenha" por a sua casa na beira do rio apresentar vestígios de uma, Ana tinha sido professora primária noutra aldeia mais distante, onde casou, enviuvou em sete anos e nunca chegou a ser mãe.

Conhecido como "Beto da Alice", nome da sua mãe, Alberto era um solitário por opção, dedicado aos livros e à pintura depois de um casamento falhado.

Ambos aposentados do estado, ele de uma repartição pública na sede do concelho, não se conheciam a não ser de vista em eventos populares numa ou noutra aldeia. Nunca falaram, nenhum sabia o nome do outro, eram próximos em idade mas distantes na forma de ver o mundo. Ela dedicada a artes manuais que lhe deixavam a cabeça liberta, ele à pintura e à escrita, sendo a pintura a sua principal forma de expressão e mesmo de rendimento, enquanto a escrita apenas o distraía. Em comum tinham o gosto pelas caminhadas, aqueles passeios magníficos pela natureza que os levavam sempre até aquele lugar perdido no tempo e desencontrado no tempo dos dois.

Ambos reparavam nos vestígios que alguém deixava: o ajeitar dos toros de lenha velha para servir de acento, umas pedrinhas em pirâmide no ex-parapeito da janela e algo curioso como o resto de uma jarra antiga repleta de flores do campo, devidamente atestada de água, sobre uma pedra quadrada, que devia ter sido um banco, colada a uma das paredes meio caídas da antiga casa.

O que de início foi só coincidência e acasos engraçados, transformou-se pouco a pouco em algo mais. Nenhum sabia quem era o outro que por ali passava ou ficava. Ambos começaram a ficar curiosos com aquela presença misteriosa. Ana sonhadora com uma eventual amiga de gostos também ruinosos e campestres, Alberto antevendo uma jovem linda, sonho de qualquer romântico da sua proveta idade. Imaginava-a a subir o morro, maravilhosa e bela, de cabelo ao vento, num vestido leve e esvoaçante... Chegado a casa ria-se de si próprio e daquele sonho. Por mais que o espelho lhe dissesse que continuava a ser um homem interessante para o sexo oposto a visão sonhadora de uma menina bonita, qual anjo dos céus, a frequentar umas ruínas no meio do campo e do nada era já demasiado delirante para ainda ansiar conhece-la e, quiçá, conquista-la! Meninas bonitas têm mais o que fazer do que andar pelo campo! Seria um homem? Algum "entradito" como ele, sem muito que fazer? Não, a visão feminina e juvenil era muito mais inspiradora e alegre só por si! Depois ainda vinha a sua arte figurativa em que a menina bonita começou a ter rosto, ora maravilhoso e celestial, ora sorridente e algo lascivo. Foi acrescentando a figura feminina às suas paisagens, sempre etérea, divina e preciosa... Escreveu também sobre ela, sempre na base do mistério, como se mesmo fisicamente fosse alguém de aura espiritual...

Ana não sonhava tanto, apenas imaginava uma outra mulher a deambular por ali, alguma maluca como ela, farta de cidades, vilas e aldeias, feliz só assim, consigo própria, a andar pelo campo.

Um dia Alberto deixou um poema preso com uma pedra no acento de toros. Falava do mistério daquela presença, sugeria um encontro quase delirante de "um sonho ser real" e outras acrobacias poéticas. Estava escrito à mão, numa caligrafia exemplar, e na assinatura acrescentou o nascimento: 1947. Por algum motivo se sentiu impelido a isso, não sabia explicar, foi algo que lhe pareceu natural na altura. Assustar-se-ia a sua "menina" com tanta franqueza? Ou riria de um velho que lhe deixava poemas? Mas se tudo era um sonho e até brincadeira porque não alimenta-lo com mais sorrisos?

Foi a vez de Ana sonhar e imaginar e sucumbir ao mistério quando encontrou o poema. Havia uma sugestão de data e hora do dia, olhou para o relógio e faltava pouco tempo. Que fazer? Fugir dali com o susto de alguma falsa esperança? Ficar e conhecer alguém que pouco lhe importava quem fosse até aí? Experimentar o medo de poder ser alguém demente, tarado ou mesmo criminoso?

Mas não teve tempo de pensar, a expectativa de Alberto impeliu-o para o local ainda antes da hora. Ana viu-o a subir o morro, quase apavorada. Que fazer, assim de repente? Precisava que algo lhe iluminasse o espírito, lhe levasse o medo e lhe tirasse as dúvidas...

Já não havia hipótese, ele já a vira!

Os passos dele desaceleraram quase automaticamente, via uma senhora de idade (da sua idade!), à distancia parecia elegante, talvez bonita, vestida como quem passeia pelo campo... E o vestido vaporoso? Os cabelos compridos? E a juventude? Onde estava a sua menina misteriosa? O que é que aquela velha tinha feito à sua menina? Seria a bruxa má? Apeteceu-lhe voltar para trás, tornar a perseguir o sonho mas no sentido inverso, para bem longe dali...

Ana conseguiu esboçar um sorriso, ainda de poema na mão, enquanto ele se aproximava cada vez mais devagar. Não tinha nenhum ar medonho, aquele Alberto que afinal não era mulher, era até muito bem apessoado para não dizer lindo, que não fica bem a uma senhora... Tão bonito, tão interessado e ainda por cima poeta?

Quer dizer, interessado, só no poema, parece que ao vivo o interesse fugira-lhe para algum lugar! Ana tinha já vontade de rir da situação. Conteve-se a custo, tentou manter a pose da gentileza mas estava prestes a desatar a rir. Reconheceu-o vagamente de o ver na região e talvez por lhe conhecer a expressão habitual podia perceber que estava desolado!

Acabou por ser ela quem primeiro falou e desanuviou o ambiente com uma gargalhada. Apresentaram-se, riram-se ambos com a desilusão dele. Ela ainda o "picou" com um "lamento não ser mais bonita!" no meio de gargalhadas e ele foi cortês, disse-lhe que era linda, encantadora, mesmo, não tinha a ver com isso, "apenas com um sonho de um velho tolo, que não sabe atualizar a imaginação conforme a sua própria idade". Riram-se ambos, ela com mais gosto. Ficaram a conversar nos toros de lenha velha, sentiam-se amigos, por certo nunca seriam nada mais do que isso mas todos os futuros são sempre uma grande incógnita, mesmo que a juventude já tenha partido há muito.

(imagem rgbstock.es) 

images (1).jpg

 

51 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D